“Um vinho jovem, moderno e sem preconceitos, com laços ancestrais”


Nunes Barata é uma marca jovem e moderna, fruto da herança de seis gerações ligadas à produção vitivinícola. A condição particular do clima e do solo, aliada a castas bem desenvolvidas, proporciona vinhos de aromas que se prolongam no palato daqueles que o provam e se afirmam nos panoramas nacional e internacional. Grou foi, em 2004, o primeiro vinho de sucesso de Luís Nunes Barata e José Nunes Barata. Doze anos volvidos, o rótulo Nunes Barata é a nova aposta da empresa familiar localizada em Cabeção, no concelho de Mora.


Enquanto percorremos os 56 hectares de vinhas das diferentes quintas da família Nunes Barata, somos desafiados pela beleza de algumas castas tipicamente portuguesas, assim como outras internacionais, de renome, responsáveis pela produção de alguns dos vinhos mais emblemáticos do Alentejo. “Em termos de áreas tintas, a empresa dedicada à produção de vinhos, tem no seu cardápio nove castas com variedades distintas entre si: A Baga, por exemplo, é muitíssimo bem adaptada à região, e quando encontra no clima a possibilidade de atingir a maturação acima dos 14 graus, é excelente”, explica José Nunes Barata. A Touriga Nacional, a Alicante Bouschet, a Alfrocheiro, a Cabernet Sauvignon, a Aragonês, a Trincadeira, a Tinto Cão e a Syrah são as restantes variedades de castas cultivadas pelos irmãos Nunes Barata.

Já no que às castas brancas concerne, a Arinto, a Antão Vaz e a Verdelho são as três espécies selecionadas para criar vinhos elegantes, com um final mineral e fresco. O aroma limpo confere-lhe uma personalidade exclusiva, em que o álcool passa despercebido. Segundo Luís Nunes Barata, o Nunes Barata Branco “é um vinho que está sempre vivo e não cansa”.

No que concerne ao resultado final, consequente da exploração das castas, os vinhos produzidos têm características muito particulares: são balsâmicos, apresentam muitas notas de especiarias, proporcionando momentos de indelével prazer e descontração.

Inicialmente focados para a produção de vinhos tintos, quatro anos após a inauguração do projeto, Luís Nunes Barata e José Nunes Barata investiram na diversificação da sua oferta. “No segmento médio alto temos um rosé, um branco e um tinto”, explica Luís Nunes Barata. “Depois, para o segmento alto, temos uma gama reserva, onde se insere o vinho tinto reserva, e estamos a pensar criar um vinho branco reserva”, informa. “Depois, e mais acima, temos um grande reserva, o atual é de 2011, o qual foi medalha de ouro, em 2015, no III Concurso ‘Melhores Vinhos do Alentejo’ organizado pela Confraria dos Enófilos do Alentejo. No entanto, o nosso topo de gama é o Grou Family Collection, em homenagem ao nosso avô José Gabriel e que, na próxima edição, passará a designar-se Nunes Barata Family Collection”, acrescenta José Nunes Barata. Finalmente, o sucesso mais recente da empresa assenta num Espumante Bruto Nature de 2011, da casta Touriga Nacional. Para a elaboração destes néctares a Nunes Barata Vinhos conta com a colaboração do enólogo Carlos Lucas e de toda a sua equipa. Para produzir um produto de excelência o trabalho nos bastidores é sobretudo focado na essência das condições inerentes à região onde estão situados, ponto este que confere ao produto final características muito próprias das suas explorações. Sendo uma empresa de cariz familiar, este negócio vitivinícola é uma ligação da família Nunes Barata aos seus mais longínquos antepassados. “Nascido no longínquo ano de 1836, com a colocação da primeira pedra daquela que viria a ser a adega inicial iniciada pelo quinto avô dos irmãos, vem já na sétima geração”, afirma Luís Nunes Barata. Ao longo de sucessivas gerações a lidar de frente com o seu negócio, houve apenas um interregno que coincidiu com um marco histórico de Portugal, a revolução de 25 de Abril de 1974. Daí em diante, dado o mote para ganhar e conquistar novos mundos, a Nunes Barata usou a liberdade para expandir as suas explorações e alargar os seus conhecimentos não só a nível nacional, mas também internacionalmente.

"Ser empresário em Portugal significa ser resiliente e estar disponível para o risco", salienta Luís Nunes Barata, que explica que sustentar e fortelecer as empresas num ambiente macroeconómico instável é sempre um desafio. De olhos postos no futuro, o objetivo principal será aumentar a exportação e cimentar mercados dentro de Portugal. A curto prazo lançar mais três ou quatro vinhos, mantendo a qualidade destas produções, será o objetivo, e a longo prazo um aumento da área de vinha é considerado pelos irmãos Nunes Barata uma hipótese viável.