Proporcionar uma apresentação cuidada


A Soplás é uma empresa que vigora no mercado nacional há 29 anos. Especializada na área de acabamentos gráficos, esta casa foca-se essencialmente nas plasticizações e aplicação de verniz UV nos produtos gráficos que lhes são concebidos. Sediada em Fajozes, Vila do Conde, este negócio surge como complemento a gráficas e muito tem contribuído para os modernos acabamentos que proporciona aos seus clientes.


Rui Torres, filho do cofundador da Soplás, é um dos três sócios que representam esta empresa, juntamente com o irmão Timóteo Torres e António José Oliveira. Com toda a sua experiência e know-how neste ramo de negócio, Rui Torres faculta aos quadros da sua empresa uma enorme bagagem de conhecimento e prática, em relação a toda a atividade que desenvolvem internamente.

Inicialmente a empresa teve o cunho pessoal do pai dos irmãos Torres, que por conta própria se estabeleceu com António José Oliveira, e começaram a atividade na sua garagem automóvel. Passado algum tempo a empresa mudou-se para um armazém de 300 metros quadrados. Hoje “dão asas” ao seu negócio num armazém de 650 metros quadrados com uma plataforma que chega aos 1000 metros quadrados.

“Antigamente utilizava-se apenas a plastificação, por exemplo, nos calendários de bolso”, refere Rui Torres explicando que hoje os tempos são outros e já fazem a plastificação a brilho, mate, matelizado prata/ouro, mate veludo, anti risco, gofrado, entre outros. Um dos serviços que ganha contornos significativos no quotidiano da Soplás é o acabamento em verniz UV, localizado e geral, “é um serviço que entrou no consumo ou na venda da embalagem e ninguém no mercado fica indiferente a este aspeto”, afirma o empresário. A utilização de verniz UV é usada para destacar em termos de brilho um título ou imagem de produto.

A Soplás existe no mercado nacional com o intuito de trabalhar essencialmente a embalagem do produto. Surge no contexto de proporcionar a quem visualiza estes produtos a perceção da sua mensagem através dos acabamentos desta empresa. “Quando vamos a uma livraria, não vemos um livro de romance apenas plastificado, vemos sim através da sua capa, uma estampagem, um relevo, ou um verniz com um título em destaque”, reforça Rui Torres.